domingo, 5 de outubro de 2014

Tarte pastel de nata

Há quem lhe chame tarte de nata, mas para mim tarte de nata é outra coisa completamente diferente, uma que já tenho por aí no blog, esta é mesmo Tarte pastel de nata, porque parece um pastel de nata gigante.

Esta foi feita a pedido pelos colegas de serviço, para levar para um daqueles dias que ninguém gosta de trabalhar, feriados e afins, os doentes estão lá e alguém tem que tratar deles, então para adoçar o nosso dia, cada um leva algo.
Como não tinha nenhuma receita especial, fiz esta que sem ser especial, me pareceu bem e fácil.



domingo, 28 de setembro de 2014

Doce sucesso

Esta sobremesa tenho guardada á espera de fazer há anos, vem num livro que quando a vi a primeira vez pensei fazer logo, mas foi ficando á espera de uma oportunidade e ela surgiu.

Pela fotografia do livro é daquelas que apetece fazer na hora, porque fica linda e a minha ficou tal e qual a que vem no livro... pronto quase igual :-)

1 lata de leite condensado
200 gr de palitos la reine
3 dl de leite
4 gemas
2 colheres de sobremesa de maizena
2 dl de natas
casca de meio limão
100 gr de morangos
1 pacote de gelatina de morango
Hortelã para decorar

Prepare a gelatina no dia anterior conforme as instruções da embalagem.

Num pirex transparente, para melhor visual, disponha os palitos de modo a cobrir todo o fundo.

Leve ao lume numa caçarola o leite condensado, 2 dl do leite normal, e as cascas do limão até ferver.

Á parte junte o restante leite ás gemas, misturadas com a  maisena incorporando bem.

Junte o leite fervido á mistura e leve novamente ao lume até engrossar um pouco.

Deite este creme por cima dos palitos la reine e deixe arrefecer.

Pique a gelatina de modo grosseiro e ponha por cima do creme frio.

Bata as natas até ficarem consistentes.

Decore a gosto por cima da gelatina com as natas e com morangos e as folhinhas de hortelã. Com outros frutos vermelhos, mirtilos e outra gelatina também deve ficar bom e bonito.

Fica uma sobremesa lindíssima, colorida, excelente para apresentar a um jantar com convidados ilustres ou não  :-).

Para o meu gosto há ali qualquer coisa que não combina ou não liga bem, não sei se é a gelatina com o creme se a gelatina com as natas ou sou eu que sou esquisita....,porque os convidados que comeram adoraram e fizeram muitos elogios, daí deve vir o nome da sobremesa, porque fez mesmo muito sucesso :-)

domingo, 21 de setembro de 2014

Polpa de tomate e cenoura

Não gosto de trazer coisas que já fiz e já publiquei, só para encher....mas como há tantas teorias para conservar as compotas e tomatadas sem se estragarem, que resolvi escrever outra vez a que fiz este ano e também porque fiz alguma diferente.

Polpa de tomate já fiz muitas vezes, mas nunca tinha adicionado cenoura, este ano falaram-me nisso e resolvi experimentar, fiz alguns frascos com... e outros sem.

Diz a maioria das pessoas e entendidos na matéria, que temos que virar o frasco ao contrário, eu não viro nada e conservam-se muito bem, quer os doces, a fruta em calda ou as conservas salgadas.

A única coisa que eu faço é encher os frascos com o preparado ainda a ferver, é só tirar do lume, encher e fechar logo, enrosco muito bem e já está.
Os frascos tem que ser os de rolha de metal, que até podem ser reciclados de outros preparados de compra, doces, pikles, mostarda.... bem lavados com água bem quente e muito bem secos.

Normalmente faço a olho, desta vez pesei só para ficar uma referencia, para quem nunca fez e mesmo para mim, para futuras experiencias.
Estas quantidades que deixo, é o que cabe o copo do meu robot de cozinha, que utilizei e para fazer grandes quantidades é uma grande ajuda, poupa a parte de picar a cebola alhos, cenouras.... e tritura logo.



700 gr de tomate
200 gr de cebola (1 grande)
5 dentes de alho
150 gr de cenoura (2 médias)
1 colher de sopa de sal
1 colher de chá de oregãos.




Como utilizei o robot de cozinha, fui fazendo por partes.

Primeiro descasquei os ingredientes, excepto o tomate, depois meti a cebola, alho, azeite e cenoura e meti a refogar a 120º 6 min vel.1 (tritura de modo grosseiro)

Depois do refogado feito, meto o tomate com pele, só retiro a zona do pé e algum nó da casca, junto o sal e os oregãos, que também podia ser manjericão, porque também combina com o tomate, ou outros temperos a gosto.
Programo mais 2 min vel.5 e fica assim um preparado grosseiro, se quisermos mais homogéneo e fino, é só dar uns toques de turbo

Retiro para um tacho largo e deixo ferver mais um pouco para evaporar um pouco a água, porque eu utilizo o tomate inteiro, sementes e molho incluído. enquanto este ferve inicio um novo processo no robot e em cadeia, vou fazendo a primeira parte na máquina, a segunda no fogão e retiro para frascos que vou fechando e pondo a seguinte dose ao lume e por aí até acabar os tomates.


É um processo bastante eficiente este, quem não tiver robot é fácil fazer tudo ao lume, pode fazer mais quantidades de uma vez só numa panela maior, mas com a máquina eu sozinha consegui fazer bastante polpa em duas manhãs.

Esta polpa com cenoura não se conserva por tanto tempo assim nos frascos, alguma com o passar do tempo azedou, mas agora congelo assim mesmo nos frascos ou caixas de manteiga e tiro quando preciso.

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Disney com crianças.... um outro modo de ver o parque :-)

Já há algum tempo que não trazia nada sobre viagens, não temos viajado tanto, mas esta ´viagem merece...

Este ano decidimos ir á Disney com o Miguel, já tínhamos ido há alguns anos, mas só os dois e gostei muito, já tenho comentado por aqui, depois de se ir a um parque destes dificilmente se gosta de tudo o resto e andava curiosa para ver a reacção dele, um menino com 10 anos, cheio de energia e curiosidade, achei que era a altura ideal para ir.


Este post tem como finalidade dar alguma ajuda a quem queira ir e esclarecer algumas duvidas que eu tinha e não encontrei muita informação por aí, acerca de como ir, se por conta própria e marcar eu tudo em separado e acerca dos transferes, horários e facilidade...

Depois de muito pensar, dar voltas e fazer contas, sabendo que o parque é grande e pela experiência que tínhamos, muito cansativo, é tudo muito caro e como não somos adeptos de Mac`s e companhia e o Miguel também não, ao contrário da maioria dos miúdos, não queria andar 4 dias a comer sandochas e beber coca-cola, decidimos assim para maior comodidade ir com um pacote típico com tudo incluído e aproveitar ao máximo o parque, aproveitando também ao máximo o horário dos aviões.

Decidimos por isso marcar tudo na nossa agência de viagens, aquela em que marcamos sempre as nossas viagens.



Podíamos.... organizar a viagem individualmente, ir numa companhia low cost, comprar transferes ou alugar carro, ficar num hotel qualquer sem ser do parque e comprar entradas e comer onde quiséssemos... podíamos... mas não era a mesma coisa.......


Pelas noites que eu perdi a fazer as pesquisas todas e as contas já tive muito prejuízo, porque o preço iria acabar sendo o mesmo e a comodidade não seria com certeza.

Depois de muitos anos a viajar e tendo amigos que organizam sempre as suas viagens por sua conta e que dizem ser tudo muito mais barato, eu não consigo concordar, não se pode comparar o que não é comparável, deixo algumas considerações
  • Com tudo bem organizado, conseguimos desfrutar do parque ao máximo desde o primeiro dia, porque aproveitando o primeiro voo das 6h30 estávamos no hotel ás 10h30, a 10 min do parque, enquanto que se fossemos de low cost para aeroportos mais longe e sem transferes organizados perderiamos muito mais tempo nesta deslocação.
  • E no final aproveitámos mesmo até á hora de ir para o avião, porque há transfer do hotel para o aeroporto de hora a hora  e no hotel depois de fazer o check-out podemos deixar as malas num local próprio, mesmo ao lado de onde se apanha o transfer.


Vantagens de ir com TI para os hotéis do parque:
  • Existem transferes entre o hotel e o parque sempre a passar a cada 10 min ou menos, há sites onde se diz que dá para ir a pé... até pode dar, mas depois de um dia inteiro a patear não há quem aguente.. ideal mesmo era haver uns carrinhos eléctricos tipo resort que nos trouxesse de dentro do parque até á saída do parque  :-) .
Hotel onde ficámos, muito bom e suficiente para as pouquissimas horas que lá passamos



  • Usufruir de um cartão happy hour que nos permite entrar no parque 2h antes da multidão, e ter acesso ao parque em modo mais sossegado e entrar em algumas atracções sem as filas tão grandes, nós usufruímos pouco desta vantagem, não há que se consiga levantar cedo depois de um dia de canseira e também não estávamos a pagar nenhuma promessa. 
  • Os vouchers que nos dão para as refeições (almoço, jantar e lanches) são válidos para vários restaurantes e cafetarias dentro do parque (incluído também o hotel onde ficamos e outros), onde podemos comer comida "normal" em buffet onde cada um come o que quer e na quantidade que quer, a variedade é muito grande e a qualidade boa, os lanches sabem sempre bem para uma pausa e com crianças que querem comer a toda a hora ficaria muito dispendioso.
Entradas
Sobremesas


 Os lanchinhos com uma bebida quente ou fria á escolha



  • Disponibilidade total para as crianças e para usufruir do parque, porque se ficássemos em hotéis associados ou outros haveria a tentação de ir á procura de um sitio para comprar os ditos lanches mais barato...
Ainda assim deixo algumas informações para quem queira ir por sua conta, e marcar tudo individualmente, as pesquisas que eu fiz.
  • Pode comprar um bilhete aéreo numa companhia low cost, os transferes, hotéis e entradas e organizar tudo á sua medida, não é difícil.
  • Bilhetes para os dois parques, no site da disney encontramos 4 dias para dois adultos e uma criança de 10 anos 616 euros e se procurarmos noutros sites o preço é o mesmo.
  • Também no site da disney conseguimos marcar este hotel Santa Fé já com os bilhetes incluídos por 1284 euros para a semana de julho que nós fomos.
  • Há transferes nos aeroportos (orly e Roissy) directos para os hoteis Disney e autocarros para o centro de Paris, no caso do aeroporto de Beauvais também há transferes, mas como é mais longe perde-se mais tempos em viagem. Por exemplo de Orly existe a empresa Vea que é utilizada pelas agenciar de viagens e os autocarros estão á porta do aeroporto e quem não tiver bilhete pode comprar lá o preço é 20 euros por adulto/viagem e criança maior de 6 anos.
  • Há comboios em França - RER - que dentro de Paris tem ligação ao metro (serve o mesmo bilhete) e tem uma linha mesmo para os parques -linha vermelha A e  demora mais ou menos  45 min.
  • Há uma paragem do RER antes dos parques( Vall d`Europe) onde há uma grande zona comercial e onde há muitos hotéis de cadeias mais baratas por ex no booking encontramos este.
  • Há uma zona de hotéis associados ao parque que também têm transfer entre hotel-parque, mas são hotéis de gama alta e por isso não são baratos e como exemplo este no Booking.
  • Uma possibilidade que ainda ponderei, alugar um carro para levantar no aeroporto e deixar lá de novo e teria mais facilidade de mobilidade para escolher o hotel.
  • Nestas andanças todas poupávamos algo no pacote inicial, mas parece-me que acabaria por ser mais caro e menos cómodo porque perderíamos mais tempos em transferes e teriamos tentação para comer fast food que também não é barato, nos restaurantes davam sempre o talão como se pagássemos (por questões deles de facturação)e para os três a conta era por volta de 50 euros isto 4x almoços e 4xjantares fora os lanches.... 

Quanto aos parques, quando eu fui só existia o primeiro, o Disneyland, agora existe o parque 2 ou Disney studios, mas dedicado ao cinema, nós gostamos mais do primeiro ainda que a melhor atracção para mim está no parque 2 e foi a atracção deste ano o Ratatuille.




Uma coisa que encontrei diferente é que os bonecos agora não andam livremente pelo parque como há uns anos atrás, andam sempre rodeados de funcionários do parque, cercados de cordas para um aperto de mão, ou fechados em casas ou recantos, onde também é preciso fazer fila para dar um abraço.... coisas da modernidade e talvez do sobrelotamento do parque

Ir á Disney com crianças é outra magia, vivemos o encantamento deles, ainda que temos que ir preparados para passar horas em filas para coisas sem interesse nenhum (para nós) mas para eles de todo interesse. 
Horas á espera para um abraço ao Mikey na sua casa.
 e desta ratinha simpática

Pelo que vi agora com olhos de ver crianças no parque penso que ir com crianças muito pequenas é uma perfeita parvoíce, são parques muito grande e cansativos e onde eles não tiram o devido proveito das coisas verdadeiramente interessantes do parque, apanham uma canseira e fazem birra e os pais chateiam-se porque chegam á conclusão que afinal quem gosta de ir á Disney são eles, mas não conseguem aproveitar como gostariam, porque as crianças não aguentam e não lhes deixam entrar em determinadas brincadeiras e para além disso querem ir no elefante dumbo que é igualzinho ao que há cá na feira popular....
O Miguel adorou e sempre a 200 á hora desde a primeira hora que pisou no aeroporto, até á ultima em que o deixou, entrou em tudo, algumas adorou, outras decidiu que nunca mais voltaria e outras achou que tanta fila para uma coisa sem interesse nenhum.... já consegue fazer as suas análises  e aguentou-se na maior.

 espreitando por aqui
 acelerando por ali

ainda que no fim já aproveitasse para descansar entre pratos ao pequeno almoço

 e ao almoço

nos intervalos das gulodices



A comida nos restaurantes do parque e dos hoteis é mais ou menos igual, o catering é igual para todos, mas muito variada e com qualidade, desde vegetais, saladas, frutas e carnes ou peixe, massas e pizzas sempre  e como não podia deixar de ser crepes :-) muito bons e com chocolate de muito boa qualidade, sempre...


Todas as noites espectáculo de luz e som no castelo da bela adormecida



Para terminar e como fomos 4 dias, demos um saltinho a paris utilizando o RER numa excursão feita aqui sim por mim e com direito a uma vista de olhos ás mais famosas atracções com subida á torre mais famosa no mundo e tudo, um passeio no famoso bateaux mouche, o arco do triunfo.....
mas foi mal calculado o dia...
teria que ter sido antes de ir ao parque, porque depois tudo perde o interesse...


Gosto de paris... mas podemos voltar para o parque.....




P.S. Não sei se escolhi as fotografias mais ilustrativas do parque, das muitas centenas que tirei, era difícil escolher, andaria um mês a escolher e não acertaria concerteza, mas escolhi algumas que mostram a alegria do Miguel e a felicidade dele na parque :) 




sábado, 9 de agosto de 2014

Tarte de chocolate branco

Não tenho por habito comprar sobremesas de pacote cá em casa, excepto a gelatina, e nem gosto de chocolate branco, mas de vez em quando há algo que me desperta a curiosidade e compro, esta tarte, vi em algum sitio e gostei do aspecto e como dizia que a receita vinha na caixa da mousse de chocolate branco de uma determinada marca, fui á procura e lá estava.

Estas coisas de pacote tem uma vantagem são sempre rápidas e em poucos minutos sai uma sobremesa, e esta ainda por cima fica com um ar muito festivo.


1 embalagem de mousse de chocolate branco
2 folhas de gelatina
150gr de cookies de chocolate
50 gr de margarina
1 pacote de natas longa vida ou semelhantes



Ponha 2 folhas de gelatina de molho em água fria e na hora de misturar derreta-as num pouquinho de +agua a ferver, eu não gosto de derreter nada no microondas.

Pique 150 gr de cookies de chocolate ou outras a gosto e misture com a margarina derretida, eu como fiz num dia não programado, não tinha as cookies e foi mesmo com a bolacha que nunca falta cá em casa a Maria.

Forre com esta mistura uma forma de tarte ou de aro removível.
Bata a saqueta de mousse de chocolate branco como diz na embalagem e depois misture com as natas batidas em chantilly.

Por ultimo envolver as folhas de gelatina derretidas numa colher de sopa de água a ferver.

Deite o creme sobre a base de bolacha e leve ao frigorífico até solidificar, se tiver pressa, no congelador solidifica em poucos minutos.

Decorar a gosto com frutos vermelhos ou raspas de chocolate, eu tinha mirtilos á mão e foi o que usei.

Ficou uma sobremesa muito leve, de sabor suave e o meu filhinho adorou, ele que não é muito fã de sobremesas esta adorou mesmo comia ao desafio como se diz na minha terra.

P.S. a bolacha do fundo não ficou dura, porque eu como sempre corto na manteiga....


Sigam-me sigam-me »»»»aqui :)

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Gelado de morango e baunilha

Para um verão que nem está assim para verão, nem bem para inverno, ... um geladinho.

Ainda ontem estava um calorão e agora olhando pela janela do meu escritório vejo tudo cinzentão, quase á beira de uma chuvinha e fresco...

Tenho por hábito quando vou jantar a casa de uns amigos levar sempre a sobremesa, (a casa destes....) porque me habituei assim, porque para outros nunca fiz isso e nem me lembro.

Este gelado não fui eu que fiz, foram eles, que quando vêem cá a casa fazem o mesmo, também trazem um docinho, porque nunca são demais, quando se juntam amigos á volta de uma mesa, entre comidas, doces e licores a coisa rende sempre muito enquanto se deita conversa fora.

A receita, fácil rápida e boa, porque o convite foi em cima da hora... havia que trazer algo... até parece obrigação :-) e como o lema é coisas feitas em casa, nada de comprar um gelado ou algo feito esta é uma solução rápida.
.

1 embalagem de morangos madurinhos
1 embalagem de gelado de baunilha
1 pacote de palitos de champanhe

Lavar e retirar os pés aos morangos e no copo misturador ou outro robot, triturar a gosto, mais puré ou com pedacinhos e guardar um ou dois para decoração.

Triturar também os palitos de champanhe.

Misturar a bolacha com os morangos.

Juntar o gelado de baunilha, sem descongelar e misturar  bem com os outros dois ingredientes, bater mais ou menos consoante se quer que fique mais homogéneo ou nem por isso, se ficar marmoreado cor de rosa com amarelo também fica bom.

Levar mais um pouco ao congelador e já está.
Fica um gelado muito bom, de sabor intenso, fica o registo da receita e agora podemos inventar com mistura de outros sabores ou bolachas.

sábado, 15 de março de 2014

Mil folhas

Este é um bolo que nunca me despertou grande interesse, nem fazer nem comer em pastelarias, porque não aprecio aquela carapaça de açúcar que leva em cima, mas o meu menino adoraaa, e entre ratinhos de chocolate e este mil folhas vai variando, sempre que tem oportunidade de comer em alguma pastelaria.

Ultimamente abriu-me o apetite para experimentar este, porque comecei a ver em revistas e na blogosfera o primeiro que vi já me abriu o apetite, o segundo  veio confirmar, pareceu-me relativamente fácil por isso nada como experimentar e tirar as dúvidas.

Este já está testado, ficam agora os ratinhos para a próxima..


1 placa de massa folhada rectangular

Creme de pasteleiro:
200gr  de leite
75gr de açúcar
Casca de limão

50 gr de leite
15 gr de farinha
15 gr de maizena
2 gemas de ovo

Glacé de açúcar:
200 gr de açúcar em pó
1 clara de ovo
Sumo de limão
1 colher de sopa de cacau em pó

Primeiro cortar a placa de massa folhada em três, do lado que fiquem mais largas e curtas.
Picar a massa toda com um garfo para não crescer muito muito, a minha mesmo assim cresceu.
Levar ao forno a cozer em cima de papel vegetal ou tapete de silicone em forno pré-aquecido a 190º durante mais ou menos 15 minutos ou até ficar douradinho a gosto.

Depois pulverizar os 200 gr de açúcar para a glace no robot de cozinha 30 seg vel 5-7-10, no meu robot de cozinha o açúcar não ficou perfeitamente em pó, para a próxima terei que fazer mais uns segundos ou fazer por duas vezes, porque com este tempo e velocidade ficaram a notar-se alguns gruminhos. 
Retirar para uma taça e reservar.

Em seguida fazer o creme de pasteleiro:

Pode-se fazer de modo tradicional, eu fiz no robot de cozinha.

Juntar numa taça as farinhas e as gemas com os 50 ml de leite e mexer bem até ficar homogéneo e sem grumos, reservar.

Meter o leite, açúcar e casca de limão no copo da máquina e programar 8 min. 90º vel. 2

Quando terminar o tempo, juntar a mistura das farinhas e gemas no copo da máquina e programar mais 7 min. 90º vel.4
Transferir para uma taça e cobrir com película aderente mesmo junto ao creme para não formar uma película dura e deixar arrefecer.

Entretanto e por ultimo preparar a glace:
Bater a clara em espuma, não em castelo e juntar aos poucos o açúcar, alternado com umas gotas de sumo de limão, batendo muito bem até ficar bem homogéneo, deste creme retiram-se duas colheres para uma tacinha e junta-se aí o cacau, eu usei 2 colheres de sopa chocolate em pó.

Por ultimo montar o mil folhas.

Por no fundo uma placa de massa folhada e cobrir com metade do creme de pasteleiro, colocar a segunda placa que deve ficar com a parte lisa para para cima e cobrir com o restante creme de pasteleiro, colocar a ultima placa que também deve ficar com a parte lisa para cima, para facilitar espalhar a glace e para que fique liso e direitinho.

Meter a glace de chocolate num saco de pasteleiro com bico fino, ou num cartucho de papel vegetal ou até pode ser um saco de plástico limpo ao qual se cortou um furinho num dos cantos e fazem as riscas horizontais no sentido do comprimento.

Depois com uma faca fazer riscos no sentido da largura, pousando a faca no sentido da largura e arrastando levemente, ora num sentido, ora noutro, alternando para dar o efeito pretendido e habitual nestes mil folhas.

A apreciação geral foi o delírio total, tanto pelo efeito visual, como no sabor, o único contra é que foi pequeno demais e o meu filhinho ia fazendo birra por só ter direito a uma fatia pequena....

Tenho que fazer outro rapidamente só para ele :-) mas o próximo será só cortado em dois, porque este ficou muito alto e estreito e não é muito prático para cortar as fatias, desfaz-se um pouco, principalmente as ultimas, a massa folhada escorrega no creme e desmancha-se.