quarta-feira, 28 de abril de 2010

Sumos e batidos

Cá em casa temos vicio de comprar fruta, não sei de onde vem, mas a verdade é que temos sempre fruta no frigorifico a passar de prazo, seja morangos que já não vêm muito famosos, seja quiwis que vêm sempre muito verdes e depois enquanto amaduram, acabam por ficar esquecidos, ou as laranjas que alguem dá sempre em grande quantidade....

Assim como cá em casa gostamos muito de sumos e batidos é o recurso para não deitar fora

Um batido de
morango
quiwi
iogurte natural
uma colher ou duas de nestum
leite até á espessura desejada



e já está para o meu pequeno almoço ou para o lanche do menino.

Um suminho de

Tangerina
Maça
Quiwi

Sabe sempre bem em qualquer altura


Açúcar só mesmo em caso de emergencia, como no caso deste de laranja feito na centrifugadora em vez do espremedor de citrinos e que ficou um bocadinho pró amargo, penso que foi por causa da parte branca da casca que foi também passado...

A decoração simboliza o amargo que ficou este sumo...

domingo, 25 de abril de 2010

Arroz de chouriço e grelos

Este arroz tem aqui lugar porque ficou um verdadeiro manjar, foi o marido que fez num daqueles dias em que -o que fazer para jantar- estava um verdadeiro dilema.

Vai daí ele disponibilizou-se para ir para a cozinha e como costume lá fez um pratinho inventado á maneira dele e que eu adoro.

A receita diz ele, -não há!!! nem para por lá no meu bloguinho?? -não é á minha maneira!!!

E a maneira dele desconfio que é um refogadinho com cebola e azeite e umas rodelinhas de cenoura, com umas colheres de polpa de tomate a namorar com umas rodelas de chouriço caseiro da mãezinha dele, umas chouriças de cebola que se usam lá pela zona de lamego e que devem ser cozidas antes.

Ah e também vejo um grelinhos por ali a espreitar e umas rodelas de salsicha que andavam esquecidas no frigorifico...


O resultado não sei se foi pelas chouriças ou se pelo cozinheiro estava de lamber os beiços .-)

terça-feira, 20 de abril de 2010

Almondegas á minha maneira

Cá em casa nunca fomos muito adeptos de carnes picadas, eu até gosto bastante, mas o marido não é muito fã, principalmente desde que as vacas andam loucas e ultimamente temos substituido por soja, da qual eu também não era muito fã, mas lá me adaptei e assim nos vamos adaptado a sabores, texturas e ingredientes, agora temos um pápa picadinhos, que é o meu menino, adora tudo que seja picado, á bolonhesa, em bolinhas, com puré ou empadão....por isso tenho comprado mais.

Esta mandei picar no talho e pedi metade de vitela e metade de porco, para a próxima vou substituir uma por perú, não sei se resultará muito bem...
A receita foi á minha maneira, não sei se era bem assim que costumava fazer, tive dúvidas no pão ralado, se não seria mesmo pão molhado em leite que juntava, mas já não fazia há tanto tempo que desta vez saíu assim.

250 gr de carne de porco picada
250 gr de carne de vitela picada
2 cebolas médias
6 ou 7 dentes de alho
1 ovo
1 colher de sopa de massa de pimentão caseira
Pão ralado q.b.
Meio copo de vinho branco
Sal, polpa de tomate e azeite q.b.

Primeiro misturei muito bem a carne com 3 dentes de alho picados muito fininhos, a massa de pimentão e o sal.

Depois juntei o ovo e o pão ralado e amassei muito bem até ter a consistencia de bolinhas que não se desmancham fácil, para esta quantidade de carne penso que usei umas 3 colheres de sopa de pão ralado, é que deitei a olho!!

Formei as bolinhas no tamanho desejado, nunca muito grande para cozinharem bem por dentro e meti num prato a aguardar.

Entretanto deitei azeite suficiente para cobrir o fundo de um tacho largo e meti ao lime com bastante alho picado de modo grosseiro.

Quando vi que o azeite estava já a ficar quente fui metendo as bolinhas e agitando o tacho para não pegarem e ao mesmo tempo ganharem um tostadinho para não se desmancharem, no fim de todas estarem tostadinhas de todos os lados juntei o copo de vinho de uma só vez e agitei o tacho, para descolar algo que se tenha agarrado ao fundo.

Juntei a cebola picada de modo grosseiro e a polpa de tomate,  e deixei cozinha a carne e apurar o molho, juntando mais alguma água quando via que estava a secar demasiado.

Fotografia só mesmo das que sobraram, porque como já alguem disse é dificil cozinhar, fotografar ao mesmo tempo que se tem uma criança a rodopiar em volta e é preciso dar banho e sentar á mesa e ainda por cima temos que dar o exemplo, não podemos levantar da mesa para actividades artisticas, porque se não ele logo encontrará alguma actividade para fazer também no entretanto.

sábado, 17 de abril de 2010

Brincando na Neve

Já há alguns anos que não via tanta neve como este ano, tivemos neve na cidade no Natal, no Carnaval e espreitou no alto da cidade na Páscoa.

domingo, 11 de abril de 2010

Cheesecake de morango

Esta pascoa resolvi fazer um cheesecake e o que eu tinha na mira era um de chocolate, mas como tinha feito mousse de chocolate durante a semana, o meu publico pediu de morango, o menino porque é fã de morangos e o mano porque gosta....

A receita fiz ao meu gosto baseado numas quantas que pesquisei, umas porque tinham bastantes natas, outras porque tinham muita gelatina, outras porque levavam doce na cobertura, nenhuma me agradou na totalidade, por isso inventei como eu gosto e saiu muito bom.

A foto não é a melhor, porque como a cobertura não tem consistência desabou para as laterais, mas fica muito bom assim também


terça-feira, 6 de abril de 2010

Macarons ou talvez não

De tanto ver macarons no blog da Claudia resolvi experimentar, o blog dela é uma tentação, porque tem sempre umas coisas espectaculares, mas quase sempre com muitos preceitos e rigor, coisa que eu não sou muito.
Mas mesmo assim lá me aventurei nos macarons, que já há algum tempo se andavam a rir para mim , claro que para além de ser uma coisa que nunca provei, nem faço ideia de como resulta e  parece-me uma coisa delicada demais, com demasiados preceitos para a minha paciência, que normalmente invento sempre nas receitas e raramente consigo seguir uma á risca.

Fui fazer um estudo das receitas da Claudia e fiz com o fruto seco que tinha em casa, neste caso amêndoa e a receita que utilizei foi a que ela fez com castanha do pará.

2 claras envelhecidas por dois ou três dias
1/2 copo de 250ml de farinha de castanhas do Brasil ( usei amendoa)
1 copo de 250ml de açúcar em pó
2 colheres de sopa de açúcar
1 colher de chá de extrato natural de baunilha (não usei porque não sou fã do sabor de baunilha)

Das receitas que li e do que eu percebi fiz assim.

Deixei as claras numa tacinha coberta em cima da banca por 2 dias, para envelhecerem.

Bati em castelo e quando estavam já firmes, juntei as colheres de açúcar até ficarem bem firmes.

Envolvi a amendoa moída muito bem com o açúcar em pó e envolvi esta mistura com bastante cuidado nas claras, até estar tudo muito homogéneo.

Na receita da Cláudia ela explica uma serie de preceitos dos quais eu tentei cumprir alguns, quem quiser pode vêr lá no blog dela os pormenores.

Abdiquei do saco de pasteleiro, porque como tinha pouca fé no resultado, achei que era trabalho demais e formei as bolinhas com uma colher de sobremesa e deixei a descansar um bocadinho antes de ir para o forno, para formar uma pelicula.

O tempo de cozedura que ela recomenda é 15 minutos a 150º, os meus nesse tempo e nessa temperatura estavam crus, não sei se os fiz demasiado grandes.

Tive que deixar o dobro do tempo.

A textura como nunca provei os originais não faço ideia se ficou parecido ou não, o aspecto não me pareceu nem primo, mas o sabor dos meus e a textura ficou muito boa.
Ficram levinhos e a desfazerem-se na boca, muito bons.

domingo, 4 de abril de 2010

Folar de Páscoa

Mais uma páscoa e com ela os tradicionais folares, na minha zona não são muito habituais este tipo de folares, mas como eu gosto de experimentar tudo resolvi fazer um folarzinho.

O meu não levou ovos cozidos em cima, porque não consigo perceber a lógica destes ovos cozidos com casca em cima do folar, nunca percebi bem como se come aquilo, se partimos tudo junto e comemos casca e tudo ou se desmanchamos o enfeite e retiramos os ovos para descascar, por isso não me parece uma coisa muito lógica e não lhe meti, troquei por umas amendoinhas só para decorar.



sexta-feira, 2 de abril de 2010

Bacalhau tipo espiritual

Sexta feira santa, dia de comer peixe para os católicos, em casa da minha mãe sempre se respeitou esta tradição das sextas feiras da quaresma, na minha, como sou católica mas pouco praticante, com o tempo fui-me esquecendo, mas neste dia ainda me lembro.

Este bacalhau não fui eu que fiz, comi em casa de uma amiga e pela receita que ela me deu é um aproveitamento que resulta tipo espiritual, ela usou menos cenoura e juntou outro tanto de batata que tinha cozida de sobra.


600 g de bacalhau
100ml de azeite
2 dentes de alho
2 cebolas médias
200 g de cenouras
Sobras de batata cozida mais ou menos tanto como a cenoura.
2 pãezinhos demolhados em 2,5 dl de leite quente
Queijo em fatias q.b. para cobrir o pirex

Para o bechamel
90 g de margarina
100 g de farinha
1 l de leite
Sal, pimenta e noz-moscada a gosto

Confecção:

Demolhe, e limpe de espinhas e peles o bacalhau.

Descasque e pique na picadora, a cebola, as cenouras e os alhos.
Pique também o bacalhau.

Num tacho, leve ao lume o azeite e o picado da cenoura com a cebola e o alho. Vá mexendo e, quando começar a alourar, junte o bacalhau, ligando bem e deixando apurar um pouco, junte a batata esmagada com o garfo.
Junte os pãezinhos demolhados sem espremer o leite, ligue muito bem e retire do lume.

Prepare o bechamel à parte:
Deixe aquecer a margarina, junte a farinha, mexa bem e adicione o leite quente em fio, mexendo sempre. Deixe levantar fervura, retire do lume, tempere com o sal, a pimenta e a noz-moscada.
Junte ao preparado do bacalhau e deite num pirex untado, disponha por cima o queijo e leve ao forno a alourar.
Sirva assim que retirar do forno.